Logo SASOP
18 Outubro 2018

O fortalecimento de articulações entre diferentes setores que atuam na promoção da agroecologia e no fortalecimento de agricultura familiar é uma dos principais vertentes das estratégias de ação.

[+] Saiba mais



IV ENA I Seminário Temático Biodiversidade: bem comum, soberania alimentar e territorial dos povos do Brasil

 

​A agrobiodiversidade e a sociobiodiversidade são as expressões dos conhecimentos, da cultura, da sabedoria, da história, da ancestralidade e do trabalho dos camponeses, camponesas, povos indígenas e comunidades tradicionais brasileiras. Foi por meio das técnicas de manejo, cultivo, melhoramento, conservação, troca, circulação e cruzamento das espécies que estes povos sobreviveram, garantindo, assim, os principais recursos para a vida. 

Ocorre, entretanto, uma ofensiva brutal aos recursos naturais, aos territórios, aos saberes tradicionais destes povos e à biodiversidade. Tal processo transforma e se apropria deste patrimônio genético, ambiental e cultural e o transforma em mercadoria, em bens apropriáveis e negociáveis. O processo de avanços tecnológicos foi acompanhado de marcos regulatórios de concentração de tecnologias e patentes, de apropriações dos conhecimentos tradicionais, de facilitação de pesquisas e comercialização das sementes híbridas e transgênicas e de brechas para o avanço da biologia sintética e indução genética. 

Mesmo assim, os povos resistem como guardiões e guardiãs da biodiversidade, fundando, criando e reinventando iniciativas de defesa das sementes crioulas, mudas e animais agroecológicos. Criam redes de proteção e articulação, desenvolvem feiras e festas de sementes, constroem mecanismos de trocas e edificam casas de sementes. Travam lutas contra as ameaças agrícolas, econômicas, legislativas e criam espaços agroecológicos e territórios livres de transgênicos e agrotóxicos, possibilitando o desenvolvimento da soberania dos povos com alimentos saudáveis e garantia de meio ambiente equilibrado para as gerações futuras. 

O GT Biodiversidade da ANA propõe, portanto, um debate crítico e atualizado sobre a biodiversidade – um bem comum e elemento fundante da soberania alimentar e territorial dos povos do Brasil – e sobre as disputas no contexto contemporâneo. Ao mesmo tempo, busca anunciar as resistências cotidianas nos lugares e práticas sociais dos/as agricultores/as familiares, povos e comunidades tradicionais.

Práticas essas ancoradas em saberes e articuladas em movimento que têm muito a contribuir com a agroecologia, a soberania alimentar e a democracia no campo e nas cidades.

 Experiências: 

- Manejo e manutenção da sociobiodiversidade pelo Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu do Maranhão, Pará, Piauí e Tocantins. 

- Guarda das sementes pelos agricultores, políticas públicas e resiliência camponesa para as alterações climáticas, a partir da Articulação do Semiárido Brasileiro. 

- Territórios, financeirização e biodiversidade, a partir da Comissão dos Povos e Comunidades Tradicionais dos Pampas, no Sul do Brasil. 

Data: 01 de junho de 2018, sexta-feira.

Horário: 14h às 17:30

Local: Tenda 1 ​- Parque Municipal Américo Renné Giannetti - Belo Horizonte - MG. 

 

Salvador - Rua Aristides Novis, 101º Federação - Salvador - BA
CEP: 40.210-630
Tel: 71 3335-6049

Remanso - Rua Padre José Daniel Potter, 100 - Remanso-BA
CEP 47.200-000
Tel: 74 3535-1548 / 0093

Camamu - Praça Nossa Senhora da Assunção, 03, Centro -Camamu-BA
CEP: 45.445-000
Tel: 73 3255-1119
Parceiros Financiadores