Mais de 200 mulheres rurais se unem para discutir políticas públicas

“Pra mudar a sociedade do jeito que a gente quer, só participando sem medo de ser mulher”. Entoando essa canção, mais de 200 mulheres agricu

 

Texto: Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR)

Foto: André Frutuoso (SDR)

 

O evento abriu a programação técnica da 9ª Feira Baiana da Agricultura Familiar e Economia Solidária, maior feira de agricultura familiar do Brasil, que acontece no Parque de Exposições de Salvador, em paralelo à 31ª Feira Internacional da Agropecuária (Fenagro), até o próximo domingo (02).

O objetivo é contribuir com a integração das mulheres rurais, refletir sobre a Assistência Técnica Rural (ATER) e suas relações com as unidades produtivas familiares e os avanços econômicos das mulheres rurais, além de promover intercâmbios e dar visibilidade às diversas iniciativas de grupos de mulheres rurais e divulgar experiências de resistência e de autonomia de mulheres e dos avanços das organizações envolvidas.

Para o titular da SDR, Jerônimo Rodrigues, a luta das mulheres não é apenas das mulheres: “Esta Feira é uma conquista do povo da agricultura familiar. A população feminina no campo é significativa e a política do governo Rui Costa é de inclusão. Não podíamos fazer nada relacionado a geração de renda sem considerar a inclusão dos diversos públicos. Essa é uma agenda de capacitação econômica e política”.

A gestora da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), Célia Watanabe, afirmou que iniciar a feira com esse evento é muito significativo porque as mulheres rurais são a metade da população rural: “É preciso olhar de uma forma diferenciada para essas mulheres. A gente precisa dar visibilidade ao trabalho que as mulheres rurais vêm desempenhando em seu roçado, na sua lida, na vida comunitária. É nosso papel fomentar isso”.

O encontro contará com discussões temáticas distribuídas em plenárias, sessões, debates e rodas de conversas, intercaladas com místicas de abertura e acolhimento, oficinas artísticas e territoriais, além de apresentações culturais, contemplando poesia, música, artesanato e literatura. Entre os destaques estão as Oficinas de Bordado, com Elisa Borges, do projeto Linhas do Horizonte de Minas Gerais, e a Meu Turbante, Minha Resistência!.

A agricultora e artesã da Comunidade Quilombola Jussara do Sudoeste Baiano, Creuza Pereira, participa pela primeira vez do encontro: "Vim conhecer e levar experiências para as mulheres que não puderam vir. Na minha lembrança vou levar tudo de melhor, porque me senti representada".

Com o tema Mulher Rural, a 9ª Feira Baiana da Agricultura Familiar e Economia Solidária traz 270 empreendimentos, entre cooperativas e associações dos 27 Territórios de Identidade da Bahia, que comercializarão mais de dois mil produtos nos “Armazéns da Agricultura Familiar”. 

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.