Criação de abelhas em Campo Alegre de Lourdes valoriza área recaatingada

A comunidade de Lagoa do Sal, no município de Campo Alegre de Lourdes, administra uma área de recaatingamento de 83 hectares, onde o grupo “Unidos Pra Recaatingar”, formado por 16 famílias locais, trabalha para recuperar o local, devastado por um incêndio em 2012. Nesse espaço, denominado Território Rural Terra Nossa, a comunidade, apoiada pelo SASOP e pelo IRPAA (Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada), vem colhendo bons resultados com a introdução de culturas anuais como milho, feijão, mandioca, melancia, abóbora, hortaliças e plantas medicinais, além da pecuária – e tem dentre os destaques produtivos a apicultura, que forma a base de sustentação de muitas famílias.

A denominação de “Territórios Unidos” é dada pelo Pró-Semiárido, por conta do projeto agregar pelo menos 13 comunidades em cada área. Junto com a vegetação em recuperação, os grupos ganham também em consciência ambiental, consolidada por meio dos conhecimento de como recuperar áreas devastadas, e percebe como a criação de abelhas é uma estratégia interessante para a valorização de área recaatingada, com retorno direto na melhoria da renda familiar.

A recuperação da área foi uma proposição da comunidade para o IRPAA. Hoje a comunidade conta com acompanhamento técnico do SASOP, por meio das ações do Projeto Pró-Semárido, que realiza  formações e orientações de recuperação na área de recaatingamento e manejo de apicultura com o grupo. 

Depois um período de formação, orientações e acompanhamentos,  toda a comunidade já entende a importância de manter a caatinga em pé, e que, além de contribuir com a preservação ambiental, a mata fortalece a identidade das pessoas e a defesa do território como espaço de vida.

  • Com informações e fotos de Ismael Carneiro Brandão

Deixar uma resposta