Projeto ATER Agroecologia mobiliza comunidades no Território Baixo Sul da Bahia

Comunidade da Cachoeira da Torre, no município de Igrapiúna, desenha o mapa da área que habita

A implementação de ações em agroecologia em qualquer contexto requer bastante preparação, como se pode imaginar. Mas qual a principal base para um planejamento bem feito? A equipe do SASOP/ BAHIATER tem investido na elaboração de diagnósticos em conjunto com os grupos atendidos para assegurar uma maior efetividade nos resultados do Projeto de Assistência Técnica e Extensão Rural Agroecológica (ATER Agroecologia) no Território Baixo Sul da Bahia.

Por meio da ferramenta de Diagnóstico Rápido Participativo e Agroecossistemas (DRPAs), que as equipes aplicaram nos meses de julho e agosto, foram levantadas informações para subsidiar as ações do Projeto, que atende cerca de 540 famílias de 24 comunidades, nos municípios de Camamu, Igrapiúna, Ituberá, Nilo Peçanha, Taperoá e Valença.

A equipe técnica também participou de uma capacitação para nivelar a metodologia e discutir as estratégias necessárias para a implementação em cada contexto comunitário e familiar. O DRPA tem um forte componente visual, o que estimula a interação de todos na construção dos diversos diagramas, e permite o levantamento dos dados socioeconômicos e de recursos naturais das comunidades.

Nos meses de setembro e outubro, o ATER Agroecologia segue para a etapa de planejamento participativo e caracterizações. Este trabalho também será feito em grupos, cuja composição variará de acordo com o tema abordado. Os dados coletados no diagnóstico serão resgatados pelos facilitadores didaticamente e, a partir deste desenho da realidade, os grupos definirão o horizonte almejado e os passos necessários para alcançá-lo.

Deixar uma resposta